Calma
por: André Luiz

Se você está no ponto de estourar mentalmente,
silencie alguns instantes para pensar.
Se o motivo é moléstia no próprio corpo, a intranquilidade traz o pior.
Se a razão é enfermidade em pessoa querida,
o seu desajuste é fator agravante.
Se você sofreu prejuízos materiais, a reclamação
é bomba atrasada, lançando caso novo.
Se perdeu alguma afeição, a queixa tornará você uma pessoa
menos simpática, junto de outros amigos.
Se deixou alguma oportunidade valiosa para trás,
a inquietação é desperdício de tempo.
Se contrariedades aparecerem, o ato de esbravejar
afastará de você o concurso espontâneo.
Se você praticou um erro, o desespero é porta aberta a faltas maiores.
Se você não atingiu o que desejava, a impaciência fará
mais larga a distância entre você e o objetivo a alcançar.
Seja qual for a dificuldade, conserve a calma, trabalhando,
porque, em todo problema a serenidade é o teto da alma,
pedindo o serviço por solução.

Calma
por: Emmanuel

Justo lembrar: a voz humana está carregada de vibrações.
Esforça-te por evitar os gritos intempestivos e inoportunos.
Uma exclamação tonitruante equivale a pedrada mental.
Se alguém te dirige a palavra em tom muito alto, faze-lhe
o obséquio de responder em tom mais baixo.
Os nervos dos outros são iguais aos teus:
Desequilibram-se facilmente.
Discussão sem proveito é desperdício de forças.
Não te digas sofrendo esgotamento e fadiga para poder lançar frases tempestuosas e ofensivas;
Aqueles que se encontram realmente cansados
procuram repouso e silêncio.
Se te sentes à beira da irritação estás doente
e o doente exige remédio.
Barulho verbal apenas complica.
Pensa nisso: a tua voz é o teu retrato sonoro.