Oração da migalha

Senhor!
Quando alguém estiver em oração, referindo-se à caridade, faze que este alguém me recorde, para que eu consiga igualmente ajudar em teu nome.
Quantas criaturas me fitam, indiferentes, e quantas me abandonam por lixo imprestável!...
Dizem que sou moeda insignificante, sem utilidade para ninguém; contudo, desejo transformar-me na gota de remédio para a criança doente.
Atiram-me à distância, quando surjo na
forma de pedaço de pão que sobra à mesa;
no entanto, aspiro a fazer, ainda,
a alegria dos que choram de fome.
Muita gente considera que sou trapo velho
para o esfregão, mas anseio agasalhar os
que atravessam a noite, de pele ao vento...
Outros alegam que sou resto de prato para
a calha do esgoto, mas posso converter-me
na sopa generosa, para alimento e consolo
dos que jazem sozinhos, no catre do
infortúnio, refletindo na morte.
Afirmam que sou apenas migalha e, por isso, me desprezam... Talvez não saibam que, certa vez, quando quiseste falar em amor, narraste a história
de uma dracma perdida e, reportando-te ao reino
de Deus, tomaste uma semente de mostarda
por base de teus ensinos.
Faze, Senhor, que os homens me aproveitem
nas obras do bem eterno!... E, para que me compreendam a capacidade de trabalhar.
Dize-lhes que, um dia, estivemos juntos, em Jerusalém, no templo de Salomão, entre a riqueza
dos poderosos e as jóias faiscantes do santuário, e conta-lhes que me viste e me abençoaste, nos dedos mirrados de pobre viúva, na feição de um vintém.

Meimei
in: O Espírito da Verdade