1.001 cartas de Amor

Já te escrevi mil e uma cartas de amor,
não sei exatamente quais chegaram ao seu destino
mas todas percorreram o mesmo caminho
e tentaram me levar até você.

Mas pra quê...?
se nem ao menos você se deu
ao trabalho de me responder?

Mandei cartas com juras,
cheias de ternuras...

Cartas eróticas,
com um pouco do meu gozo
que acontece distante de você,
mas estampa no meu rosto
o meu prazer...

Já enviei cartas malcriadas, desaforadas
perguntando a razão do teu silêncio...

Cartas intempestivas tocando em feridas
que abrimos um no outro...

Mandei cartas de desgosto, contando de mim,
mostrando assim o tamanho da minha agonia...

Postei cartas de alegria quando queria te provar
que a tristeza eu já havia mandado enterrar...

Cartas carinhosas, gostosas, relembrando alguns momentos que nem o tempo pôde apagar...

Mandei cartas enlouquecidas
dizendo que a minha vida perdeu a razão
diante da nossa atual situação...

Enviei cartas recheadas de emoção,
linhas que qualquer um gostaria de receber...

Escrevi cartas só pelo prazer
de delicadamente te dizer
Eu te Amo!

Enviei cartas cheias de planos
de como seria nosso reencontro...

Depois fiz um balanço de todas elas,
tudo que eu havia escrito,
um resumo,
um rabisco...
na dúvida,
em cima dele um risco
e te mandei...
Dizia apenas assim:
Volta pra mim!

Era só isso que eu tentava em todas as cartas te dizer
e perdi tanto tempo insistindo em te escrever...

Sei que mais uma vez resposta eu não vou ter
que, por conta disso, meu coração vai adoecer
mas antes morrer no vazio das tuas palavras
do que, das minhas, me tornar escrava.

Silvana Duboc