A carta

Encontrei em meus guardados
Uma carta dele e sorri...
Quantas mentiras saltavam
Daquela página...
Tornei a ler e sorri novamente,
Era tanto absurdo...
Da folha, um vulto foi tomando
Forma e respondendo a todas
As minhas dúvidas...
- Cretina... acreditou no meu
Amor? Que pena sinto de você...
Entre uma linha e outra, eu revivia
Tudo que havia sido o nosso amor...
A carta envelhecida, já difícil
Ficara de ler... tentei continuar
As letras estavam apagadas,
Mal escritas... Tentei novamente
E foi impossível, não era a carta
Mal escrita, eram as lágrimas
Em meus olhos que nublavam
A folha...

Marilena Trujillo