A vida não oferece retornos

Têm coisas na vida que não conseguem pegar
o retorno. Definitivamente não têm volta.

Uma palavra proferida num instante de raiva, por exemplo,
pode ser esquecida por quem a falou, mas vai ecoar nos
ouvidos de quem a ouviu pelo resto dos seus dias.

Uma traição, decerto passará em branco para quem a cometeu,
mas jamais será esquecida por quem a sofreu.

Um olhar de raiva poderá até se transformar em um de carinho depois de algum tempo, mas quem o viu, o sentiu, terá registrado
na sua retina pelo resto da vida.

Humilhações pelas quais eventualmente passamos serão ignoradas por quem as causou. No entanto o tempo não será capaz de
apagá-las do nosso coração.

Mentiras ditas cinicamente, como se fossem verdades,
quando descobertas, ficam parecendo flechas fincadas
no coração de quem as ouviu.

Grosserias calejam almas, quando tantas vezes nem
são percebidas por quem as fez.

Um amor que é vivido e que, ao final, passa despercebido por
um dos lados como se não tivesse valido a pena ou tido alguma importância, machuca mais do que chutar uma criança.

Consideração não levada a sério, tratada como piada, pode ser, para quem não a tem, um item sem importância, mas quem é atingido por ela sabe o quanto dói e imobiliza.

Subjugar pessoas a ignorâncias e desfeitas
não é com certeza a melhor receita para ser apreciado.
Elas poderão fingir que passaram por cima desse seu ato,
mas de forma alguma o esquecerão.

Palavras, antes de serem ditas, devem ser pensadas
e, atitudes, analisadas.

Não se agride um coração a troco de nada porque, quem o fere segue em frente, quem é ferido vai precisar, no mínimo,
carregar as suas cicatrizes.

Saiba que as atitudes desprezíveis que você tiver ao longo dos seus
dias com seu próximo, seja ele alguém íntimo ou distante,
a vida, em algum momento, vai lhe cobrar por isso.
Como eu disse, no início, a vida não oferece retornos.

Silvana Duboc