Acabou!

Acabou!
Foi o diálogo que faltou, o amor que entornou,
as palavras que secaram na garganta,
a emoção que não veio, e um dia foi tanta.
O meu peito parece uma árvore oca,
e a voz que já foi tão firme, agora rouca,
me deixa sem palavras para expressar,
e sem poder gritar, eu me perco na solidão,
do que fomos e do que poderíamos ter sido,
do que nunca mais será...

Acabou!
O telefone não toca,
sua mensagem não chega,
seus braços já não me alcançam,
seus beijos já não me pertencem.
Tudo se foi, menos essa "ausência",
que parece uma dor aguda, uma dormência,
uma letargia que ataca a alma,
e enquanto o vazio grita que acabou,
meu coração respira sua saudade,
e não aceita a perda do que parecia ser a felicidade.

Acabou!
E é tempo de recomeçar.
De voltar a dar meus passos em direção à vida,
que pode ser até mais colorida, mas agora é cinza.
Eu quero me redescobrir, descobrir onde eu me perdi,
me encontrar para ser feliz,
me achar de novo,
para aprender a amar.

Acabou!
Mas eu estou aqui, limpando as feridas,
secando o pranto que insiste em rolar,
segurando lágrimas que embaraçam meu olhar,
e soltando esse sorriso que indica:
"eu vou melhorar", ainda sem graça,
vou achando meu rumo, pois o dia me abraça,
e sinto que tudo pode melhorar,
quando eu realmente "me amar".

Paulo Roberto Gaefke