Alexandre, o Grande

Quando, à beira da morte, Alexandre convoca
seus generais e seu escriba e relata a estes seus
três últimos desejos:
1 - Que seu caixão seja transportado pelas mãos
dos mais reputados médicos da época;
2 - Que seja espalhado no caminho até seu túmulo, seus tesouros conquistados (prata, ouro, pedras preciosas...);
3 - Que suas duas mãos sejam deixadas balançando
no ar, fora do caixão, a vista de todos.
Um dos seus generais, admirado com esses desejos insólitos, pergunta a Alexandre a razão deles.
Alexandre explica, então:
1 - Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão, para mostrar aos presentes que estes
NÃO têm poder de cura nenhuma diante da morte;
2 - Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui permanecem;
3 - Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que, de mãos vazias
viemos, de mãos vazias partimos.