Amor cigano

Que alegria e que pena te querer,
cigano meu
Amor que é angústia,
pranto, medo, luto e alegria.
Sangue, vida,
sol, chuva, rosas
lua e sol,
noite e dia...
É morrer em cada ato
e reviver no momento.
É estar no fio da navalha,
com uma espada de ponta
sempre pendente... a espreita.
Ai, cigano,
este amor
que se desfaz no peito,
é anjo e é demônio,
morde e magoa,
acaricia e nos beija...
e nos deixa no sangue
paixão, loucura e fogo...
Amor cigano...
pacto sagrado...
gravado no coração

Marta Diaz Fonti