Ao maior de todos

Quero abrir espaço para falar da minha experiência pessoal com o maior escritor brasileiro: Jorge Amado. Quem não leu, e quer entender bem a alma do nosso povo, saia correndo agora e compre um de seus livros.
A seguir, 3 momentos onde nossos destinos se cruzaram.

Atravessando a Av. Copacabana
Eu tinha editado, com meus próprios recursos, um livro chamado
"Os Arquivos do Inferno" (do qual muito me orgulho, e se não está atualmente nas livrarias é unicamente porque ainda não me atrevi a fazer uma revisão completa do mesmo). Todos nós sabemos o quanto é difícil publicar um trabalho, mas existe algo ainda mais complicado: fazer com que ele seja colocado nas livrarias.
Todas as semanas minha mulher ia visitar os livreiros em um lado
da cidade, e eu ia para outra região fazer a mesma coisa.
Foi assim que, com exemplares de meu livro debaixo do braço, ela ia atravessando a Av. Copacabana, e eis que Jorge Amado e Zélia Gattai estão do outro lado da calçada! Sem pensar muito, ela os abordou e disse que o marido era escritor. Jorge e Zélia (que provavelmente deviam escutar isso todos os dias) a trataram com o maior carinho, convidaram para um café, pediram um exemplar, e terminaram desejando que tudo corresse bem com minha carreira literária.
"Você é louca!" eu disse, quando ela voltou para casa. "Não vê que ele é o mais importante escritor brasileiro? "
"Justamente por isso", respondeu ela. "Quem chega onde ele chegou, precisa ter o coração puro."

O recorte no envelope
As palavras de Christina não podiam ser mais acertadas: o coração puro. E Jorge, o escritor brasileiro mais conhecido no exterior, era (e é) a grande referência do que acontecia em nossa literatura.
Um belo dia, porém, "O Alquimista", escrito por outro brasileiro,
entra na lista dos mais vendidos da França, e em poucas semanas,
chega ao primeiro lugar.
Dias depois, recebo pelo correio um recorte da lista, junto com uma carta afetuosa sua, me cumprimentando pelo feito. Jamais entraria, no coracão puro de Jorge Amado, sentimentos como o ciúme.
Alguns jornalistas - brasileiros e estrangeiros - começam a provocá-lo, fazendo perguntas maldosas. Jorge, em nenhum instante, se deixa levar pelo lado fácil da crítica destrutiva, e passa a ser meu defensor
em um momento difícil para mim, já que a maior parte dos
comentários sobre meu trabalho era muito dura.

O desespero de Anne
Recebo finalmente meu primeiro prêmio literário no exterior - mais precisamente, na França. Acontece que, no dia da entrega, estarei em Los Angeles por causa de compromissos assumidos anteriormente.
Anne Carriére, minha editora, fica desesperada.
Fala com os editores americanos, que se recusam a abrir mão
das minhas conferências já programadas.
A data do prêmio chegando, e o premiado não poderá ir; o que fazer? Anne, sem me consultar, liga para Jorge Amado e explica a situação. Na mesma hora, Jorge se oferece para me representar na entrega do prêmio.
E não se limita a isso: telefona para o embaixador brasileiro e o convida, faz um lindo discurso, deixa todos os presentes emocionados.
O mais curioso de tudo isto, é que eu só iria conhecer Jorge Amado pessoalmente quase um ano depois da entrega do prêmio. Mas sua alma, ah, essa eu aprendera a admirar como eu admiro seus livros: um escritor famoso que jamais desprezou os principiantes, um brasileiro que ficava contente com o sucesso dos seus conterrâneos, um ser humano sempre pronto a ajudar quando lhe pediam algo.
Obrigado, Jorge. Que o mundo cada vez conheça melhor seu trabalho, porque ele foi escrito com o talento de um gênio - por um homem de bem.