As histórias de Murali

Eu costumo dar uma olhada nos fóruns que discutem meus livros na Internet; através do leitor, o escritor tem uma visão mais clara do seu trabalho. Num destes fóruns, existe um indiano chamado Murali que, volta e meia, coloca alguns textos muito interessantes na rede. Aqui vão alguns:

A menina e a tempestade

A garota costumava caminhar todos os dias até a escola.
Uma tarde de tempestade, ela começou a demorar muito; os ventos sopravam cada vez com mais força, os trovões e raios
sacudiam a vizinhança.
A mãe, preocupada, telefonou para a escola e informaram a menina já havia saído. Ao ver que ela não chegava, colocou uma capa de chuva, e saiu - imaginando que a filha devia estar paralisada de medo, escondida na casa de um vizinho, chorando, esperando a tempestade passar.
Para sua tranqüilidade, assim que dobrou a esquina, viu a menina andando lentamente em direção à casa; mas parava cada vez que caía um raio, olhava para o céu, e sorria.
A mãe chegou correndo, colocou a menina debaixo de sua capa, e perguntou por que ela tinha demorado tanto.
- Você não está vendo os flashes? – disse a criança.
– Deus está tirando fotos de mim!

Outra menina e outra tempestade

Uma garota ia em direção à casa de sua avó, situada no alto de uma montanha. Chovia a cântaros, o vento frio soprava, e trovões pipocavam a cada segundo.
Quando já estava quase chegando ao seu destino, sentiu algo roçando seus pés. Ao olhar para baixo, viu que era uma cobra.
- Eu estou quase morrendo - disse a serpente. – Está muito frio, não há comida aqui, por favor me proteja! Coloque-me debaixo do seu casaco, salve minha vida, e eu serei sua melhor amiga.
Apesar da tempestade, a menina parou e começou a refletir. Olhou a pele dourada e verde da serpente, e disse para si mesmo que jamais tinha visto algo tão belo. Pensou o quanto deixaria com inveja os seus amigos de classe, ao aparecer com uma cobra que a defenderia de tudo. Finalmente disse: - Está bem. Eu vou salvá-la, porque todos os seres vivos merecem carinho.
A cobra ficou amiga da menina, serviu para assustar as pessoas agressivas no colégio, fez companhia nos dias solitários. Até que uma noite, quando ela estava fazendo suas lições de casa,
sentiu uma dor aguda no pé direito. Ao olhar para baixo,
viu que a cobra a havia mordido.
- Você é venenosa! – gritou. – Vou morrer logo!
A cobra não disse nada.
- Como você fez isso comigo? Eu salvei sua vida!
- Aquele dia, quando você se abaixou para me salvar,
sabia que eu era uma cobra, não sabia?
E, lentamente, rastejou para fora.

Reflexão

Um texto do escritor Richard Bach:
“Não existem erros. Os acontecimentos que atraímos para nós, por mais desagradáveis que sejam, são necessários para ensinar o que necessitamos aprender. Quando iniciamos a vida, cada um de nós recebe um bloco de mármore e as ferramentas necessárias para converter este bloco em escultura. Podemos arrastá-lo intacto a vida toda, podemos reduzi-lo a cascalho, ou podemos dar-lhe uma forma gloriosa.”
“Eis aqui um teste para verificar se sua missão na Terra está cumprida: “Responda rápido: você está vivo?
“ Se a resposta é ‘Sim’, então ainda falta muita coisa a fazer.”