Ceder

Ceder não significa parar de me preocupar; significa que eu não posso resolver
os problemas de outra pessoa.

Ceder não significa isolar-me; significa que
não posso controlar a vida de outra pessoa.

Ceder não é tornar as coisas mais fáceis,
mas extrair lições das consequências
dos nossos atos.

Ceder é admitir que tenho limitações,
o que significa que o resultado final
não depende só de mim.

Ceder é não tentar modificar ou culpar outras pessoas: eu só posso modificar a mim mesmo.

Ceder não significa deixar de prestar assistência; significa continuar a demonstrar interesse.

Ceder não é jogar a culpa no outro,
mas ter espírito de solidariedade.

Ceder não é julgar, mas admitir que
a outra pessoa é um ser humano.

Ceder é não intrometer-me tentando resolver problemas alheios; é permitir que as pessoas encontrem as soluções por conta própria.

Ceder é deixar de ser protetor; é permitir que a outra pessoa enfrente a realidade.

Ceder não é rejeitar, mas aceitar.

Ceder não significa resmungar, censurar
ou discutir; significa aceitar as próprias
falhas e corrigi-las.

Ceder não significa adaptar tudo conforme
meus desejos, mas aceitar cada dia como
ele é e apreciar cada momento.

Ceder não é criticar nem controlar o outro,
mas tentar me transformar na pessoa
que eu gostaria de ser.

Ceder não é arrepender-se do passado, mas adquirir experiência e viver para o futuro.

Ceder é temer menos e amar mais.

Alice Gray