Chega de ficar, quero namorar!

Sou de uma época em que você pedia uma garota em namoro.
Era um porre isso porque a gente não tinha nenhuma idéia de quem ela era,
se o seu beijo era bom ou ruim, se eu iria curtir ou não a sua companhia.

Aliás, eu entendo que a gente só pode saber o que quer e o que não quer por meio da própria experiência. Esse negócio de você dizer que sabe muito bem
o que quer, eu só acredito se você for uma pessoa bastante vivida.
Se você diz que sabe por teoria ou por convicção, para mim não tem
credibilidade nenhuma. É pura especulação.

Mas, voltando ao nosso assunto que é ficar ou namorar, creio que esse negócio de ficar é muito bom, até certo ponto. Quando você fica com alguém existe a possibilidade concreta de se experimentar com a pessoa. E isso é bom. Você sai da fantasia e vai para a real. Assim, você pode sentir a alquimia das suas peles, pode entender a temperatura do encontro.
Só pelo papo, não dá para saber. Conversando você troca uma idéia, diz e escuta muita coisa, mas somente com o contato corporal é que você pode perceber
melhor quem a outra pessoa é.

No entanto, essa coisa de ficar também pode ser algo muito superficial.
Você pode ficar de várias maneiras. Pode ser somente um passatempo, uma questão de prazer do corpo. Nada mal, mas se a sua vida afetivo-sexual se restringir a esse tipo de encontro, talvez você esteja perdendo a oportunidade
de aprender muito sobre as relações humanas, sobre o amor.

Você pode ficar com muita gente sem ter nenhuma intimidade, sem sequer conversar ou saber mais do outro. Mas isto é bem limitante quando pensamos
em crescimento pessoal, em evolução espiritual.

Mas o ficar pode ser um primeiro passo, o início de um namoro, de uma relação que vai se aprofundando com o tempo. Você fica uma vez, duas, três vezes com a mesma pessoa. Percebe-se no meio de um rolo. E se é bom, você tem a coragem de continuar na relação. Você se dá o direito de continuar.
Não sai correndo, apavorado.

Tem gente que acha que namorar ou casar é sempre uma limitação da liberdade. Acha que o relacionamento é chato e sinal de muita mão de obra. Mas isso nem sempre é uma verdade. O que acontece é que falta habilidade para um relacionamento mais inteligente, sem tantas cobranças e posse. Se você revê os seus padrões para relacionar-se e consegue estar num namoro bem humorado e consciente, com certeza vai preferir namorar do que ficar.

Quando você experimenta o tesão associado com o seu coração entende que
um namoro lhe satisfaz muito mais do que a liberdade alérgica de quem
tem tanto medo de entregar-se.

Sergio Savian