Cicatrizes

Hoje abri meu baú de recordações...
vasculhei sonhos,
remexi ilusões,
toquei feridas...
toquei desilusões...

Coisas que marcaram,
músicas que ficaram,
poemas de Drummond...
perfumes que ainda exalam
e espalham pelo ar,
nos aromas de cada história vivida
e de cada sensação sentida,
o néctar do meu passado!

E bem lá no fundo,
escondido em meio às
paixões esquecidas,
encontrei um amor
que tanto machucou,
mas que o tempo cicatrizou...

Num misto de saudade e tristeza,
revivi os tantos momentos...
de alegria e tormento...
Momentos felizes,
momentos de festa e euforia..
mas que foram momentos roubados,
pela vida negados...

Um amor extirpado,
dois seres divididos,
cada qual em seu caminho,
seguindo novos destinos,
novos sonhos,
novas paixões,
novos desatinos,
novos recomeços...

Vida... sábia conselheira,
experiente timoneira,
nos conduziu a outras direções.

Tempo... bálsamo
de todas as dores,
fecha todas as feridas,
deixando em seu lugar
apenas cicatrizes...

Mas hoje, ao te encontrar
neste baú de recordações,
não sei se de surpresa...
Pois te julgava esquecido,
não sei se de emoção...
que já não julgava sentir,
um soluço sufocou meu peito
e eu chorei...
chorei...chorei... chorei ...

E assim, após tanta
lágrima derramada,
senti minha alma lavada
e foi aí que descobri...
Que as cicatrizes, na verdade,
são apenas feridas disfarçadas...

Cesare Belisarius