Culpada sou eu

Esqueça, por favor!
Não quero ser o alguém
que te causa dissabor.
Sou mesmo assim,
muito segura de mim.
O que me custa?
Hoje, nada.
Já paguei meus sofrimentos
com mil lágrimas derramadas.
Já curei minhas feridas,
todas as dores sentidas,
afastei os meus medos,
desbravei os meus segredos.
Não me queiras
onde não poderei estar.
Nem santa nem devassa,
já tenho o meu altar.
Quem na verdade eu amo
jamais deixou de me amar.
Querer-me mal não adianta
pois cada um colhe o que planta.
Se vejo flores nos meus caminhos
e tu andas pelos espinhos,
se não abdicas do teu amargor
eu não abro mão do meu licor,
se jogo limpo e acabo ganhando
e de teus blefes sais chorando,
se luto para chegar
enquanto permaneces no mesmo lugar,
se eu curto os meus amigos
e tu ganhas inimigos,
se tenho sonhos palpáveis
e os teus são intocáveis,
culpada sou eu
que não consegui te fazer enxergar
a grandeza de ser
e verdadeiramente amar.


Cleide Canton