Das mentiras

Nunca construí nada.
Vivo na aparência.
De aparências.
É preciso ter coragem
para manter estas mentiras.

Retroceder é impossível.
A cada uma soma-se outra,
e mais outra... a gente acaba se enredando
tanto com as mentiras que contamos na vida.
E as verdades cada vez ficam mais longe
em meio a neblina.

Estou assim, às cegas..
Acabo entrando neste negrume...
Gostaria de não sentir nada,
de não me olhar madame,
de não repensar,
de desaparecer, descalça
em qualquer ponta de rua...
Quem se importaria?!

As nuvens toldam o entardecer
e no silêncio massacrante não
falamos nem sentimos.

Não tenho um relacionamento
normal com a realidade.
Continuo caminhando, como
sempre, envolta em desejos
inconfessáveis de liberdade.

...E nesse caminhar carrego a
tristeza n'alma, as lágrimas
embaçam o olhar cansado.
...E de mãos dadas com minhas dores,
colho os frutos de minha covardia.

Delasnieve Daspet