De nada vai adiantar

Eu tenho sido minha ré,
tenho vagado e esfolado a sola do meu pé,
tenho me crivado de balas
e me ferido com facadas.
Eu tenho me pregado na cruz
como se eu fosse Jesus.
Eu tenho torturado meu coração
como se estivesse num campo de concentração.
Eu tenho me massacrado, me açoitado
como se eu vivesse como um escravo.
Eu tenho me enterrado
em cova rasa e sem identificação
e com isso sufocado a minha emoção.
Eu tenho me rasgado
e são em tantos os pedaços
que já não consigo me juntar.
Tudo isso eu tenho feito
simplesmente por te amar.
O pior é saber que de nada vai adiantar,
eu vou continuar a viver,
o mundo vai continuar a girar
e sua nunca mais eu vou ser.

Silvana Duboc