Dentro dos teus braços

Sou como um grão de areia na tua mão
que se perde entre tantos sem distinção.
Sou um pingo de chuva no verão
que escorrega pelo teu coração.
Sou como uma lágrima sem direção
que se confunde em meio a emoção.
Sou alguém em plena multidão
que te busca, te procura,
que te perde e te cura.
Sou quem te faz bem e mal,
sou teu ponto mais fatal.
Sou como uma corda que te prende,
sou alguém que se rende
e não encontra nunca a solução.
Sou a tua alegria e a tua insatisfação.
Sou eu que estou jurada pra morrer
de tanto amor
quando preciso for.
Sou eu que tento entender
e faço de tudo pra ser
teu porto mais seguro
e acabo sendo teu canto mais escuro.
Sou eu que me desfaço e me refaço,
que, junto de mim, te arrasto,
que te sufoco, que te desgasto.
Sou eu que me perco e não me acho
quando não estou dentro dos teus braços.

Silvana Duboc