Diálogos com o mestre - VI

O tédio

Durante certo período de minha vida - notadamente entre os anos de 1982 e 1990 - mantive um caderno onde anotava minhas conversas com J., pessoa a quem considero acima de tudo um amigo, mas que me ensinou muito da linguagem simbólica do mundo. Continuo aqui - e pelas próximas quatro colunas - a relatar alguns trechos destas anotações:
- No fundo, as pessoas reclamam, mas adoram a rotina - eu disse.
- Claro, e a razão e muito simples: a rotina lhes dá a falsa sensação de que estão seguros. Assim, o dia de hoje será exatamente igual ao dia de ontem, e o amanhã não trará surpresas. Quando a noite chega, parte da alma reclama que nada de diferente foi vivido, mas a outra parte fica contente - paradoxalmente, pela mesma razão.
"Evidente que esta segurança é totalmente falsa; ninguém pode controlar nada, e uma mudança aparece justamente o momento mais inesperado, pegando a pessoa sem condições de reagir ou lutar.
- De somos livres para decidir que queremos uma vida igual,
porque Deus nos força a mudá-la?
- O que é a realidade? É a maneira como a imaginamos que seja. Se muita gente "pensa" que o mundo é de tal e qual maneira, as coisas à nossa volta se cristalizam, e nada muda por algum tempo. Entretanto, a vida é uma evolução constante - social, politica, espiritual, seja lá em que nível for. Para que as coisas evoluam, é necessário que as pessoas mudem. Como estamos todos interligados, as vezes o destino dá um empurrão naqueles que estão impedindo a evolução.
- Geralmente sob a forma de tragédia...
- A tragédia depende do modo que voce a vê.
Se escolheu ser uma vítima do mundo, qualquer coisa que lhe acontecer vai alimentar aquele lado negro de sua alma, onde voce se considera injustiçado, sofredor, culpado e merecedor de castigo.
Se escolher ser um aventureiro, as mudanças - mesmo as perdas inevitáveis, já que tudo neste mundo se transforma - podem causar alguma dor, mas logo vão lhe empurrar adiante, obrigando-o a reagir.
"Em muitas das tradições orais, a sabedoria é representada por um templo, com duas colunas na porta: estas duas colunas sempre tem nomes de coisas opostas entre si, mas para exemplificar o que quero dizer, chamaremos uma de Medo, outra de Desejo. Quando o homem está diante desta porta, ele olha para a coluna do Medo e pensa: "meu Deus, o que vou encontrar adiante?" Em seguida, olha para a coluna do Desejo e pensa: "Meu Deus, já estou tão acostumado com o que tenho, desejo continuar vivendo como sempre vivi". E fica ali parado;
isso chamamos de tédio.
- O tédio é...
- O movimento que cessa. Instintivamente, sabemos que está errado, e nos revoltamos. Nos queixamos com nossos maridos, esposas, filhos, vizinhos. Mas, por outro lado, sabemos que o tédio e
a rotina são portos seguros.
- Uma pessoa pode passar a vida inteira nesta situação?
- Ela pode levar o empurrão da vida, mas resistir e continuar ali, sempre reclamando - e seu sofrimento foi inútil, não lhe ensinou nada.
" Sim, uma pessoa pode continuar o resto dos seus dias diante de uma das muitas portas que deve ultrapassar, mas ela precisa entender que só viveu mesmo até aquele ponto. Pode continuar respirando, andando, dormindo, comendo - mas cada vez com menos prazer, porque já está
morta espiritualmente e não sabe.
"Até que um dia, além da morte espiritual, aparece a morte física; neste momento, Deus perguntará: "o que voce fez com a sua vida?
" Todos nós temos que responder esta pergunta, e ai de quem disser: "fiquei parado diante de uma porta".