Dói... e como dói!

Dói ouvir uma verdade que a gente sabia
que existia, mas não queria admitir.

Dói ver quem a gente ama e confia,
cair em contradição e, sem querer,
deixar escapar uma verdade que a gente não
queria ouvir, apesar de, no fundo, sempre ter sabido que era aquela a realidade.

Dói não saber até onde vai a verdade
e onde começa a mentira.

Dói perder a confiança em alguém por uma frase ouvida num momento em que essa pessoa baixou a guarda e mostrou a realidade dos fatos.

Dói pensar que aquela paixão toda declarada em todos os momentos, pode não passar de mentira... uma mentira que não tinha necessidade de existir.

Não havia necessidade de ir por esse caminho
de fantasia e envolvimento...
Não havia necessidade de criar tantas ilusões... tantas expectativas...
Bastava viver intensamente cada momento que pudéssemos ter juntos, simplesmente com a emoção e o tesão que o encontro entre um
homem e uma mulher pode proporcionar.
Sem contos de fadas, sem mentiras desnecessárias, simplesmente um homem e uma mulher que
se atraem, se desejam e se satisfazem...

Bastava viver a realidade... uma realidade não tão linda nem tão romântica... mas que machucaria menos agora e não faria doer tanto.

Por isso, não faça com os outros o que você não gostaria que fizessem com você.
Ame, viva o presente, o hoje, porque o ontem
já passou, o presente é um presente,
e o amanhã poderá não ser.