Enviado por um anjo

Houve um tempo em que eu sentia que todo o mundo tirava proveito de mim e eu não estava nada feliz com isso.
Parecia que todas as pessoas, a quem eu tinha decidido mostrar alguma bondade, ultrapassavam os limites.
Lutei contra a idéia de que se eu fazia o bem só porque Deus disse que deveríamos fazer... mas se meu coração não estava
feliz com isso, eu realmente fazia um favor a Deus?
Eu tinha gastado muitas horas e dólares com algumas crianças menos favorecidas em nossa vizinhança, e as coisas chegaram a um ponto que, a avó com quem as crianças viviam, já ficava esperando por algo de minha parte.
Eu me sentia ressentido com ela pelo fato de que as crianças não pareciam ser uma prioridade em sua vida.
Próximo ao Natal, ela me ligou, contou sobre uma menina
que sabia que não receberia nada, e pediu que
eu comprasse algo para a menina.
Eu não gostei daquele pedido. Não me agradou ela ligar pedindo que eu fizesse algo por alguém que eu sequer conhecia.
Eu já não fazia o bastante por suas crianças?
Agora tinha que cuidar de mais uma?
Mas quando eu fazia compras, alguns dias mais tarde,
eu vi uma caixa com duas bonecas, uma morena e uma loira.
Me lembrei da tal menininha. Como não estava caro, resolvi comprar, mas não fiquei feliz com isso.
À véspera do Natal, entreguei as bonecas à avó e nunca
mais a ouvi falar uma palavra sobre a tal menina.
Pelo que eu conhecia, a menina nunca receberia
as bonecas e nem a avó falaria que eram dela.
Quando eu era criança, eu não podia ver minha avó paterna que, apesar disto, nunca deixou de nos comprar presentes de Natal que ela deixava com minha avó materna.
Só que minha avó materna mudava as etiquetas e dava os presentes como sendo dela.
Quando fiquei adulto, descobri que meu brinquedo favorito
na realidade tinha vindo de minha outra avó.
Mas isto é uma outra história.
Voltando à história anterior, cerca de um ano e meio mais tarde, eu caminhava com meu cachorro e vi uma menininha de
mais ou menos sete anos brincando na calçada.
Quando passei por ela, ela gritou: - Eu já vi este cachorro antes.
Eu lhe falei que morava por perto e, às vezes, caminhava por ali. Ela se aproximou e abaixou-se para acariciar o cachorro.
Por alguma razão que desconheço, aproveitei para lhe perguntar se conhecia Aaron, Nick e Melanie, e ela respondeu que sim. Então, com a curiosidade aguçada, perguntei: - Não neste último Natal, mas no outro, você ganhou um par de bonecas?
- Oh, sim, Lucy é a loira e Debbie é a morena. Elas estão lá dentro dormindo - ela respondeu, com um sorriso.
- Foi tudo o que ganhou naquele ano? - perguntei.
- Acho que ganhei outras coisas, mas nem lembro mais - disse.
- Quem lhe deu as bonecas? - perguntei.
- A avó de Aaron - ela respondeu.
Ah ha! Como eu pensava... A avó ia ficar com todo o crédito! Para provar que tinha razão, perguntei:
- Ela disse quem mandou para você?
E Deus, por seus misteriosos meios, mostrou-me que nada do que eu faça será bom se eu o faço com maus pensamentos
e que eu tenho muito o que aprender.
Fiquei com um nó na garganta, quando veio a resposta:
- Ela me disse que foi um anjo.

Mickey Bambrick
Tradução de Sergio Barros