Estrelas ao mar

Era uma vez um escritor que morava em uma tranqüila praia, junto de uma colônia de pescadores.
Todas as manhãs ele caminhava à beira-mar para se inspirar e à tarde ficava em casa escrevendo.
Certo dia, caminhando pela praia, viu um vulto
ao longe que parecia dançar.
Ao chegar bem perto reparou que se tratava de um jovem que recolhia estrelas-do-mar na areia para, uma a uma, jogá-las novamente de volta ao oceano.
- Por que está fazendo isso ? perguntou o escritor.
- Você não vê !? respondeu o jovem.
- A maré está baixa e o sol está brilhando.
Se elas continuarem aqui na areia
todas irão secar e morrer.
O escritor espantado disse-lhe:
- Meu jovem, existem milhares de quilômetros de praias por este mundo afora e centenas de milhares
de estrelas-do-mar espalhadas pela areia.
E continuou: - Que diferença faz você jogar
umas poucas de volta ao oceano se a maioria irá perecer de qualquer forma?
O jovem pegou mais um estrela na areia, jogou-a
de volta ao oceano, olhou para o escritor e disse:
- Para essa eu fiz diferença...
Naquela noite o escritor não conseguiu escrever
e nem sequer dormir.
Pela manhã voltou à praia, procurou pelo jovem,
uniu-se a ele e, juntos, começaram a jogar
estrelas-do-mar de volta ao oceano.

Luis Fernando Silveira