Eu me perdi

Quando ouvi ruídos lá fora
pensei: é ele, chegou a hora.
Abri, então, aquela porta
que há tempos estava trancada.

Deixei-o penetrar na minha morada,
beber da minha água,
comer da minha comida,
desbravar a minha vida.

Permiti que ele se tornasse importante
como nunca nenhum outro visitante
antes dele havia sido.

Ele acabou dividindo comigo
as noites e os dias,
as tristezas e as alegrias,
as derrotas e as vitórias.

Fomos nos tornando uma história,
um conto de fadas
e nossas almas foram sendo lavadas
de toda as amarguras que nelas existiam
e de todas as decepções que nos feriam.

Mas eu só posso contar essa história até aí
porque no meio dela eu me perdi
e não sei se ele será capaz de me achar,
muito menos se vai querer me procurar.

Silvana Duboc