Evidências

Quem ama sente ciúmes
(muito ou pouco, não importa), mas sente sim.
Quem deixou de amar já não se importa e deixa o outro totalmente à vontade, para que ele próprio
possa estar também assim.

Quem ama, vez por outra dá uma patrulhada no território
e delimita as suas fronteiras.
Quem deixou de amar já não fiscaliza, é frio,
controlado e jamais perde as estribeiras.

Quem ama sempre acha tempo e encontra um
jeito para estar com seu amor.
Quem deixou de amar vai postergando sem pressa,
deixando que o vento sopre a seu favor.

Quem ama faz perguntas pessoais
e usa muito o pronome "nós".
Quem deixou de amar conversa banalidades e
esquece o significado do advérbio "a sós ".

Quem ama quer saber da vida do outro
com detalhes e transparência.
Quem deixou de amar se esquiva e não cobra
do outro mais nada, nem ao menos coerência.

Quem ama é pródigo em e-mails, telefonemas
e com muito carinho dá um jeito de marcar presença.
Quem deixou de amar é pródigo em desculpas e pretextos
com os quais passa um verniz para disfarçar a indiferença.

Quem ama é naturalmente fiel e está sempre
voltado às necessidades do outro ser.
Quem deixou de amar só é fiel a si próprio e ao seu bem estar e já não percebe os danos que causa, querendo ou sem querer.

Quem ama, mas não pode corresponder por imperativos
das circunstâncias, abre o jogo e usa de sinceridade.
Quem deixou de amar não descarta o outro do
baralho, para o caso de uma eventualidade.

Será que neste momento você ama ou deixou de amar?
Será que devo lhe querer ou lhe deixar?
Se ainda ama, eu sei que providências você irá tomar .
E se já não ama, com certeza irá se calar... ou talvez até dizer:
- Face ao exposto, nada tenho a declarar!


Fátima Irene Pinto