Fragmentos de um diário inexistente – XII

Roma: Isabella volta do Nepal

Encontro Isabella num restaurante que costumamos ir porque está sempre vazio, embora a comida seja excelente. Ela me conta que, durante sua viagem ao Nepal, passou algumas semanas em um mosteiro. Certa tarde, passeava nas redondezas com um monge, quando ele abriu a bolsa que carregava, e ficou um longo tempo olhando o seu conteúdo.
Logo em seguida, comentou com minha amiga:
- Sabe que as bananas podem lhe ensinar o significado da existência? Tirou uma banana podre de dentro da bolsa, e jogou-a fora.
- Esta é a vida que passou, não foi aproveitada no momento certo,
e agora é tarde demais.
Em seguida, tirou da bolsa uma banana ainda verde,
mostrou-a, e tornou a guardá-la.
- Esta é a vida que ainda não aconteceu,
é preciso esperar o momento certo.
Finalmente, tirou uma banana madura, descascou-a,
e dividiu-a com Isabella.
- Este é o momento presente.
Saiba devorá-lo sem medo ou culpa.

Sidney: O australiano e o anúncio do jornal

Estou no porto de Sydney, olhando para a bela ponte que une as duas partes da cidade, quando se aproxima um australiano e me pede para ler um anuncio de jornal.
- São letras muito pequenas - diz ele.
- Não consigo enxergar.
Eu tento, mas estou sem meus óculos de leitura.
Peço desculpas ao homem.
- Não tem a menor importância - diz ele. - Quer saber de uma coisa? Eu acho que Deus também tem a vista cansada. Não porque esteja velho, mas porque escolheu assim. Deste modo, quando alguém faz alguma coisa errada, Ele não consegue ver direito, e termina perdoando a pessoa, pois não quer cometer injustiça.
- E quanto às coisas boas? - pergunto.
- Bem, Deus nunca esquece os óculos em casa”,
riu o australiano, afastando-se.

Sidney: nas montanhas azuis

Logo no dia seguinte à minha chegada na Austrália, meu editor me leva para uma reserva natural perto da cidade de Sidney. Ali, no meio das florestas que cobrem o lugar conhecido como Montanhas Azuis, existem três formações rochosas em forma de obelisco.
- São as Três Irmãs – diz meu editor, e me conta a seguinte lenda:
Um feiticeiro que passeava com suas três irmãs quando se aproximou o mais famoso guerreiro daqueles tempos.
“Quero casar-me com uma desta belas moças”. Disse.
“Se uma delas casar, as outras duas vão se achar feias. Estou procurando uma tribo onde os guerreiros possam Ter 3 mulheres”, respondeu o feiticeiro, afastando-se.
E, durante anos, caminhou pelo continente australiano, sem conseguir encontrar esta tribo.
“Pelo menos uma de nós podia ter sido feliz”, disse uma das irmãs, quando já estavam velhas e cansadas de tanto andar.
“Eu estava errado”, respondeu o feiticeiro. “Mas agora é tarde”.
E transformou as três irmãs em blocos de pedra, para que, quem por ali passasse, pudesse entender que a felicidade de um não significa a tristeza de outros.