Guerreiro da Luz(2)

O guerreiro da luz e seus desafios

Um guerreiro da luz não conta apenas com suas forças; usa também a energia do seu adversário.
Ao iniciar o combate, tudo que ele possui é o seu entusiasmo, e os golpes que aprendeu enquanto treinava; a medida que a luta avança, descobre que o entusiasmo e o treinamento não são suficientes para vencer: é preciso experiência.
Então, ele abre seu coração para o Universo, e pede a Deus para inspira-lo, de modo que cada golpe do inimigo seja também uma lição de defesa para ele.
Os companheiros comentam: "como é supersticioso. Parou a luta para rezar, e respeita os truques do adversário.”
O guerreiro não responde a estas provocações. Sabe que, sem inspiração e experiência, não há treinamento que dê resultado.

O problema que se repete

Um guerreiro da luz nota que certos momentos se repetem. Com freqüência se vê diante dos mesmos problemas e situações que já havia enfrentado.
Então fica deprimido. Começa a pensar que é incapaz de progredir na vida, já que os momentos difíceis estão de volta.
"Já passei por isso", ele reclama com seu coração.
"Realmente, você já passou", responde o coração.
"Mas nunca ultrapassou."
O guerreiro então compreende que as experiências repetidas tem uma única finalidade: ensinar-lhe o que ainda não aprendeu.
Ele passa a procurar uma solução diferente para cada luta repetida - até que encontra a maneira de vencê-la.

Escolhendo os inimigos

Diz o poeta: “o guerreiro da luz escolhe seus inimigos.”
O guerreiro sabe do que é capaz. Não precisa sair pelo mundo contando suas qualidades e virtudes. Entretanto - como no velho Oeste - a todo momento aparece alguém querendo provar que é melhor que ele.
O guerreiro sabe que não existe "melhor" ou "pior":
cada um tem os dons necessários para o seu caminho individual.
Mas certas pessoas insistem. Provocam, ofendem, fazem de tudo para irritá-lo. Neste momento, o coração do guerreiro diz: "não aceite as ofensas, elas não vão aumentar a sua habilidade.
Você vai se cansar a toa".
Um guerreiro da luz não perde seu tempo escutando provocações;
ele tem um destino a ser cumprido.

Reflexão

De John Bunyan:
"Embora tenha passado por tudo que passei, não me arrependo dos problemas em que me meti - porque foram eles que me trouxeram até onde desejei chegar. Agora, já perto da morte, tudo que tenho é esta espada, e a entrego para todo aquele que desejar seguir sua peregrinação. Levo comigo as marcas e cicatrizes dos combates - elas são testemunhas do que vivi, e recompensas do que conquistei.
“São estas marcas e cicatrizes queridas que vão
me abrir as portas do Paraíso."