História demodé

Não pretendo lhe questionar,
explicações não precisa me dar,
desculpas, deixa pra lá,
mesmo porque,
nos seus planos isso nunca está.
Por aqui eu vou ficar,
agora, fora do seu jogo
de fugir e depois pedir socorro,
de me maltratar e logo se fazer de bobo.
Essa história já ficou demodê
tanto pra mim, quanto pra você,
então tome muito cuidado
e dê atenção ao meu recado.
Suas atitudes vêm fazendo
o encantamento ir se quebrando,
o amor se desgastando
e a minha paciência se esgotando.
Um dia você é só carinho,
no outro vira um espinho
que fura, espeta, machuca.
Um dia você me chuta
com a destreza de um jogador
e eu me sinto como uma bola de isopor.
Meus pedaços se espalham,
em minúsculas partes se estraçalham.
Não tem relacionamento
que resista a tanta correnteza,
não tem sentimento
que sobreviva a tanta incerteza.
Me sinto numa gangorra
num tremendo vai e vem
e me pergunto em nome de quê ou de quem?
Se juntos já não damos mais bons resultados
não será a hora de ficarmos separados?

Silvana Duboc