Ilusões do amanhã

Por que eu vivo procurando
Um motivo de viver,
Se a vida às vezes parece de mim esquecer?

Procuro em todas, mas todas não são você
Eu quero apenas viver
Se não for para mim, que seja pra você

Mas às vezes você parece me ignorar
Sem nem ao menos me olhar
Me machucando pra valer

Atrás dos meus sonhos eu vou correr
Eu vou me achar,
Pra mais tarde em você me perder.

Se a vida dá presente pra cada um
O meu, cadê?

Será que esse mundo tem jeito,
Esse mundo cheio de preconceito?

Quando estou só, preso na minha solidão
Juntando pedaços de mim que caíram ao chão
Juro que, às vezes, nem ao menos sei quem sou

Talvez eu seja um tolo,
Que acredita num sonho

Na procura de te esquecer
Eu fiz brotar a flor
Para carregar junto ao peito
E crer que esse mundo ainda tem jeito

E, como príncipe sonhador,
Sou um tolo que acredita ainda no amor.

Príncipe Poeta
(Alexandre Lemos - APAE)


Nota: Este poema foi escrito por um aluno da APAE,
chamado, pela sociedade, de excepcional.
Na época, ele tem 28 anos, com idade mental de 15,
mas creio que excepcional seja a sua sensibilidade!
Fiz questão de divulgar para prestigiá-lo, pois preconceito é algo que
embota as mentes e as torna insensíveis ao amor incondicional...