Insignificante falsidade

É que se pudesse ser diferente
não seria prudente.
Não nasci pra ser sua
e você não pode ser meu.
Eu ainda sou a lua
e você um sol que se escondeu.
É que temos valores opostos,
meus sentimentos eram nossos,
quanto aos seus eram de ninguém
se é que sentimentos você tinha por alguém.
Pra mim você foi importante
e pra você eu não passei de mais um instante.
Tenho pena de vê-lo viver assim
e por isso prefiro você longe de mim.
Eu tenho os pés na realidade
e sou envolta na verdade,
enquanto você é uma insignificante falsidade.
Eu sou aquilo que nunca você poderá ser
por isso não preciso me esconder.
Eu sou uma escolha que eu fiz
e você nem consegue ser o que diz.
Eu sou um ser humano em crescimento
e você uns poucos fragmentos
que desaparecerão com o tempo.
Nas esquinas da vida você vai desmoronando
e em buracos se enterrando
enquanto eu sigo me perguntando
o que o faz viver se maltratando.

Silvana Duboc