Loucura

Quando estou quase esquecendo,
você volta correndo,
tomando-me em seus braços.

Minha boca você beija,
dizendo que me deseja,
e que veio pra ficar.

Fico, estranhamente inebriada,
no seu colo, aninhada;
não conseguindo me soltar.

Diz coisas em meus ouvidos,
fazendo-me perder os sentidos,
só de imaginar.

Com isso, você sempre ganha,
no muito que me assanha,
me fazendo acreditar.

Apaixono-me, novamente,
como aquele demente,
que não sabe o que faz.

Acredito em você,
e de repente...cadê?
Você já se foi...

Fico, outra vez, arrasada,
ferida, magoada,
tentando entender,

o porquê dessa minha loucura,
sempre que você me procura,
sabendo que vou sofrer.

Silvia Munhoz