Marcas

"...Foi preciso esta madrugada fria, abraçada pelo silêncio,
pra me fazer sentir o quanto é longe a saudade...
Ignorava que pelas esquinas adormecidas da vida,
caminho nenhum traria de volta o que eu vivi...
Estranhamente a fala misteriosa cala, emudecendo o som das
palavras mortas, e eu já não te ouço nem nos meus sonhos...
Apaga-se melancolicamente a tua imagem e até a cor "camaleante"
dos teus olhos não me deixa dúvidas, pois há muito não os vejo...
Quantas histórias meus caminhos viveram!
Quantas personagens meu peito abrigou!
Mas a cicatriz mais funda quem deixou foi você...
Coberta apenas por uma membrana fina que se rompe ao som da
música que invade o meu quarto e machuca os meus sentidos,
ao mesmo tempo que desperta a saudade longínqua...
Recolhem-se as lembranças... Trancafiam-se no recôndito solitário
do meu corpo e esquecem-se lá dentro...
Enfurecem-se quando palpita o que parecia estar morto, e este gesto aflito transparece na batida do meu coração; na dor da minha saudade distante;
na remota esperança de te encontrar por acaso, e por acaso me ver como andarilha dentro dos teus pensamentos, buscando no mundo grande e na grande alma, a essência translúcida daquilo que fomos juntos um dia..."

Sonia Pallone