Meu pai

Este homem que eu admiro tanto, com todas as suas
virtudes e também com seus limites.
Este homem com olhar de menino, sempre pronto e atento,
mostrando-me o caminho da vida, que está pela frente.
Este mestre contador de histórias traz em seu coração tantas memórias, espalha no meu caminhar muitas esperanças, certezas e confiança.
Este homem alegre e brincalhão, mas também, às vezes, silencioso e pensativo, homem de fé e grande luta, sensível e generoso.
O abraço aconchegante a me acolher, este
homem, meu pai, com quem aprendo a viver.
Pai, paizinho, paizão... meu velho, meu grande amigão,
conselheiro e leal amigo: Infinito é teu coração.
Obrigado, pai, por orientar o meu caminho, feito de lutas e
incertezas, mas também de muitas esperanças e sonhos!

Luizinho Bastos