Não sei

Não sei se sou eu que sigo teus passos
ou se és tu que segue os meus,
não sei se são os meus braços
ou são os teus
que nos levam ao apogeu.
Não sei se são tuas mãos que me amparam
ou se as minhas que te guiam.
Não sei se foram meus olhos que primeiro te amaram
ou se, antes, do meu coração os sentimentos fluíram.
Não sei se no "passado" eu já o havia encontrado
e se no "futuro" um novo encontro já está programado
mas, penso que nesse instante,
isso já nem é mais tão importante.
Precisamos é segurar esse momento emocionante,
preservarmos esse querer apaixonante
e não deixarmos ele fugir
nem, facilmente, se diluir.
O que precisamos é de, alguma forma, eternizar
essa nossa maneira tão especial de amar.
Então, pode deixar,
a minha poesia ao mundo vai contar
e, ao mesmo tempo, registrar
que nós nos amamos até a vida se encarregar
de, pra longe daqui, nos levar.
Em livros, um dia vão ler,
que teu coração foi meu
tanto quanto o meu foi teu.

Silvana Duboc