Nas rotas do amor

Nunca te prometi ribeiros de beijos,
Só te mostrei a sede dos meus dedos,
Que ardiam em sussurros de desejos,
Para em ti desvendarem mil segredos!

Nos teus lábios beber as confissões,
Escondidas num mar de desafios,
E no teu vendaval de emoções,
Sentir as tuas vagas de arrepios!

Desvendar os mistérios escondidos
Nas frestas dos rochedos do teu mar,
Salgadas de delírios assumidos,
E nelas em carícias me afogar!

Ressurgir com tesouros de prazer,
Que guardavas nas tuas profundezas,
E sentir no teu corpo de mulher,
A renúncia às tuas incertezas!

E os dois percorrendo novas rotas,
Nesta maravilhosa embriaguez,
Teremos um bailado de gaivotas,
Clamando por amor mais uma vez!

Fernando dos Santos