No A-Mar

É de olhar no olhar
Que tudo começa:
Olhar de ante-gozo
Que no meu se busca.
Depois, pouco a pouco,
Tua mão avança,
Me roça da nuca
Até à cintura
E me envolve toda
Em mim se demora...
Contrita, me esquivo
Mas me quedo presa.
Quente, a tua boca
Derrete na minha.
Me lanço na entrega,
De mim tão perdida!
Teu cio me enleia,
O meu te procura.
Fluindo suspiros
Tudo se mistura:
O corpo e a alma.
Mamilos eretos,
Tua mão procura
A rosa orvalhada.
Na total entrega,
Te cinjo fremente
Desfazes-me a trança...
Retezados corpos
Nosso amor é dança
Tremendo e gemendo
Nosso ser balança
Semi-consciente
Me sobe à garganta
o grito de fêmea
Que de si liberta
Te pertence agora.
Nossa paixão escuna
Vai no mar liberta
Envolta numa onda
De vaga loucura
Tempestade imensa
Que enfim se aduna
Na praia de espuma
Nós unos quedamos
Num céu de difusa
Névoa de bonança
Praia de ventura
Laços nossos braços
Do a-mar a bonança


Maria Petronilho