Novamente não!

Acreditei,
pus fé que você tinha sumido,
quem sabe até derretido
no meio da imensidão,
carregando toda a sua ilusão.

Agora, no entanto, você reaparece
completamente disfarçado,
até com o nome trocado,
totalmente calado,
tentando apenas observar
se as coisas continuam no mesmo lugar.

Só posso lhe dizer
que você não conseguiu se esconder.
Senti o seu cheiro no ar
seu mesmo jeito de tentar,
em vão, se reaproximar.

Sinto lhe comunicar que é melhor
que fique tudo como antes:
eu bem calada
e você bem distante.

Silvana Duboc