O ânimo do guerreiro
Carlos Castañeda foi um autor que marcou muito a minha geração - embora nunca tenha sido considerado pelo sistema acadêmico como alguém que merecesse uma atenção maior que a simples curiosidade. Em sua homenagem, publico sempre uma vez por ano, uma seleção de seus textos mais importantes:

- I -
O mais difícil neste mundo é adotar o ânimo e a atitude de um guerreiro. De nada serve ficar triste, queixar-se, sentir-se injustiçado, e acreditar que alguém está nos fazendo algo negativo. Ninguém está fazendo nada, muito menos a um guerreiro.

-II -
Não importa como fomos criados. O que determina nosso modo de agir é a maneira como administramos a nossa vontade. Um homem é a soma de todas as suas vontades, que determinam sua maneira de viver e morrer.
A vontade é um sentimento, um talento, algo que nos dá entusiasmo.
A vontade é algo que se adquire - mas para isso é necessário
lutar a vida inteira.
Desde o instante em que nascemos, as pessoas nos dizem que o mundo é assim, ou assado, desta ou daquela maneira. É natural que - durante um certo período - terminemos por acreditar naquilo que nos dizem. Mas logo precisamos deixar estes conceitos de lado, e descobrir nossa própria maneira de ver a realidade.

- III -
A humildade de um guerreiro não é a mesma humildade de um homem servil. O guerreiro não abaixa a cabeça para ninguém, mas tampouco permite que alguém se incline diante dele. O homem servil, por outro lado, se ajoelha diante de qualquer pessoa que considere mais poderosa, e exige que pessoas sob seu comando tenham o mesmo comportamento diante dele.

- IV -
O mal das palavras é que elas nos fazem sentir como se estivéssemos iluminados, compreendendo tudo. Mas, quando nos viramos e enfrentamos
o mundo, vemos que a realidade é completamente diferente daquilo que discutimos ou escutamos. Por causa disso, um guerreiro procura agir,
e perde seu tempo em conversas inúteis.
Através da ação, ele descobre o significado do que se passa no
seu dia-a-dia, toma decisões criativas e originais.

- V -
O homem comum pensa que entregar-se às dúvidas e às preocupações é um sinal de sensibilidade, de espiritualidade. Agindo assim, fica distante do verdadeiro sentido da vida, pois sua razão diminuta o converte no santo ou no monstro que imagina ser, e antes que se dê conta, está preso na armadilha que criou para si mesmo. Este tipo de gente adora que alguém lhes diga o que deve fazer, mais gosta mais ainda de não seguir os bons conselhos - só para aborrecer a alma generosa que,
em dado momento, preocupou-se com ele.
Só um guerreiro pode suportar o caminho do conhecimento. Um guerreiro não se queixa nem se lamenta de nada, não acha que os desafios são bons ou maus. Os desafios são simplesmente desafios.

- VI -
O mundo é insondável e misterioso, e assim somos todos nós. A arte do guerreiro consiste em equilibrar o terror de ser um homem, com a maravilha de ser um homem.