O charme do Chat

É muito estranho quando duas pessoas que nunca se viram começam a conversar... Assuntos cotidianos, de suas vidas comuns e rotineiras.
Nada de novo... só o desejo. Desejo latente que do outro lado daquela telinha, do outro lado teclando esteja “aquele” alguém que pense do mesmo modo, da mesma maneira...
Que queira as mesmas coisas que você sonha todos os dias...
Aquela viagem para as montanhas num chalezinho, nevando lá fora...
Espera que seja alguém , impulsivo, alegre, expansivo, que fale com você sobre os seus mais íntimos desejos... Mas, que também fale coisas simples, porque você é simples e para você, hoje, pequenas coisas tem valor, como andar descalço de pé no chão.
(porque aquela gravata não dá!)
Parar para ver o céu e como se formam as nuvens...
Olhar a chuva caindo pela janela e depois dá aquela vontade de fazer um barquinho de papel, só para ver até onde ele vai na enxurrada.
- Ah! ela pensa assim... quem sabe é a metade de mim?
Falar com ela parece gostoso... amanhã tem mais e assim vai... Começam a surtir alguns efeitos em você: Você se apressa... anda depressa... olha o relógio... dá uma escapadinha e entra no chat, no meio do dia... hiiiii... tem gente olhando... Caramba!
Mas, mesmo assim você se arrisca e entra só para dizer:
- Você está aí? Não posso falar... estou ocupado... Mais tarde a gente se fala... Um beijo... bye.. tá... bye, também te amo...
tchau... tô indo... fui!!!!!!!
Que bela desculpa!
Qual nada... você pensa nela, vai até a janela... olha e fica lá a pensar...
Sonha acordado... distraído...
Passa a responder como se estivesse fora do ar...
O amigo cutuca: - Hoje tem futebol... Como é? Vai pra cerveja?
E você, mais que depressa, inventa uma desculpa:
- Tenho de ir ao supermercado! Hoje não dá...
Passa o dia e você perdeu a conta de quantas vezes olhou para o relógio... nem quer mais contar... Se vê aflito pra hora passar.
E você pensa: - Puxa! Até que enfim...
Pega o casaco, a chave do carro... nem espera o elevador...
também o que são 6 andares?
Preciso estar em forma...
não vejo a hora....(aquele encontro sonhado...)
Chega em casa, nem espera a comida esquentar...
Vai pra tela... mas o que acontece?
Sua filha está onde você quer estar...
- Você já teve o dia inteiro para brincar!
Eu preciso trabalhar! Pode me dar o lugar!?
Ela sai, mas entre resmungos e diz algumas coisas que você
finge que não ouviu, senão vai ter de brigar!
E se for brigar... perde o lugar, porque o filho número dois
também quer teclar... E fica a praguejar: - Que droga de vida! Tenho de comprar mais 2 computadores, senão... É a hora marcada...
Você abre a tela ... ela está lá, com seu perfume, que você sente
só de pensar... Com sua voz doce e mansa...
Dizendo carinhos que você quer ouvir... e ela?
Ahhh! Ela tecla tudo o que você já pensou e até o que não imaginou... brincam de jogos, jogos de amor... cartões para cá, mensagens para lá... até poesia você se arriscou a traçar!
Quem diria? Você pensava que isso era coisa de boiola.... Mas, você está lá... lívido que só... Não se mexe, porque já se passaram horas e você ainda está lá... teclando baixinho... bem baixinho... pra ninguém escutar... Até para desligar... é “beijinhos” pra cá... “te amo” pra lá... milhões de “byes” e nada de desligar... só para se despedir leva um tempão! Mas, compensa! - você pensa. Porque você vai dormir... com um sorriso nos lábios, com vontade de dar aquela gargalhada!
Só de lembrar um dos comentários...
E você, safadinho, escorrega pela cama... pra sua mulher não acordar!

Rosy Beltrão