O eterno insatisfeito

Shanti percorria as cidades pregando a palavra Divina, quando um homem veio procura-lo para que curasse seus males.
- Trabalhe, alimente-se, e louve a Deus - respondeu Shanti.
- Quando trabalho, sinto minhas costas doerem. Quando como, minha barriga queima com azia.
Quando bebo, minha garganta arde com a bebida. Quando rezo, sinto que Deus não me escuta.
- Então busque outra pessoa para ensina-lo.
O homem foi embora, revoltado.
Shantih comentou com os que ouviam a conversa: - Ele tinha duas formas de encarar cada coisa, e escolheu sempre a pior. Quando morrer, é possível que também reclame do frio dentro do túmulo.

Qual o melhor caminho

Quando perguntaram ao abade Antonio se o caminho do sacrifício levava ao céu, este respondeu:
- Existem dois caminhos de sacrifício. O primeiro é o do homem que mortifica a carne, faz penitência, porque acha que estamos condenados. Este homem sente-se culpado, e julga-se indigno de viver feliz. Neste caso, ele não chega a lugar nenhum, porque Deus não habita a culpa.
- O segundo é o do homem que, embora sabendo que o mundo não é perfeito como todos queríamos que fosse, reza, faz penitência, oferece seu tempo e seu trabalho para melhorar o ambiente ao seu redor. Neste caso, a Presença Divina o ajuda o tempo todo, e ele consegue resultados no Céu.