O que não faz falta

E então me lembro de alguém que
fez parte da minha vida,
do meu cotidiano.
Com quem eu dividia alegrias e tristezas,
meus sorrisos e minhas lágrimas,
meus segredos e meus devaneios.

Parece que foi há tanto tempo atrás,
que na verdade nem me lembro mais.
Éramos uma dupla,
uma parceria,
éramos uma emoção dia após dia.

No entanto hoje percebi como de
tudo isso eu esqueci e já nem me
recordo direito se realmente foi bom.

Tantas manchas ficaram,
tantas arranhaduras do passado,
tanto tempo desperdiçado.
Uma sensação de começo sem início,
de fim com sacrifício.

Acho que tem que ser assim,
tenha sido bom ou ruim,
tem que ter valido a pena
para que na memória fique a lembrança
de uma época que traz saudade,
tenha sido um relacionamento
de amor ou amizade.

Agora, se não fizer falta,
se não trouxer lembranças
é porque não valeu a pena,
talvez nem tenha sido verdadeiro,
muito menos inteiro.

Talvez tenha sido algo somente passageiro,
algo que em certo momento nos atropelou
e nos arrastou meio sem direção,
sem prometer continuação.

O que não faz falta,
é porque nunca foi importante...
e o que não foi importante,
pode viver distante !

Silvana Duboc