O resto da minha vida

Eu ainda não sei o que vou fazer
com o resto da minha vida,
eu ainda não sei dizer
qual estrada será a escolhida.
Eu ainda não decidi
que coisas vou manter
e quais vou abolir.
Eu ainda não escolhi
quais sonhos vou abortar,
quais ilusões vou preservar.
Eu ainda não sei
se até onde vivi eu perdi ou ganhei,
se me expus ou me preservei.
Eu sequer sei se fui a fera ferida
ou o grande carrasco da minha vida.
Eu não sei se fui amada
ou, por tantas vezes, ludibriada.
Eu nem sei se os meus amores
eu mesma inventei
e em cada um coloquei
uma paixão que eu não vivenciei.
Eu ainda não sei
o que nunca ninguém vai saber,
se quando o coração insiste em doer,
apesar dos tombos que já levou,
é sinal que em um sem vergonha ele se tornou.
A única coisa que eu sei
é que coração não fica calejado,
não aprende nem sendo apedrejado
e sei que ele existe pra viver encurralado.
O que eu vou fazer com o resto da minha vida?
Primeiro eu preciso encontrar um ponto de partida,
depois eu sigo rumo a qualquer futuro
e numa altura dessas tanto faz
se ele vai ser claro ou escuro.


Silvana Duboc