O sufismo

A definição enciclopédica descreve o sufismo como esoterismo islâmico – e, por esta razão, sempre foi muito mal recebido no mundo muçulmano. Nasceu por volta do século X, e parte do seguinte princípio: através de uma série de práticas religiosas não convencionais, o fiel pode ter uma relação direta com Deus. A mais comum destas práticas é a dança, e a transmissão da filosofia se faz através de pequenas lendas...

No meu segundo dia de visita ao Irã, fui convidado para assistir uma cerimônia sufi. Num pequeno apartamento em Teerã, com as luzes apagadas, as velas acesas, os instrumentos de percussão soando, foi possível ver como esta tradição espiritual pode conservar sua pureza até hoje.
O encontro começou às nove da noite. Por quase meia hora, um homem – usando um tom de voz que parecia sair do fundo da alma – cantava de uma maneira quase monótona. Quando ele parou de cantar, começaram os instrumentos de percussão, com um ritmo muito semelhante ao que estamos acostumados a ver nas cerimônias de religiões afro-brasileiras.
Foi então que, seguindo a mesma linha ritual destas religiões que conhecemos tão bem, alguns homens levantaram-se (nós estávamos todos sentados em torno de um espaço vazio no meio da sala) e começaram a girar em torno de si mesmos.
A cerimônia toda durou uma hora, durante a qual os dançarinos riam alto, diziam palavras incompreensíveis (mesmo para as pessoas que falam persa), e demonstravam estar em um profundo transe. Aos poucos, foram parando de girar, a percussão diminuiu, e as luzes da sala foram acesas.
Perguntei a um deles o que havia sentido.
- Estive em contacto com a energia do Universo - respondeu. - Deus passou por minha alma.
- É preciso fazer algo mais? Ter uma crença especial, uma prática constante? – perguntei.
- Segundo um dos mais importantes teólogos do Islã, o sufismo não é uma doutrina, nem um sistema de crenças. É uma tradição de iluminação através de tudo que é dinâmico.
Abu Muhammad Mutaish diz: “O sufi é aquele cujo pensamento caminha na mesma velocidade que seu pé.” Ou seja, sua alma está onde está o seu corpo,
e vice-versa. Onde um sufi está, ali se encontra também tudo aquilo que ele é: o trabalhador, o místico, o intelectual, o contemplativo,
o que se diverte.
O sufismo é universal na medida em que aceita que a sabedoria foi transmitida ao homem através de grandes profetas, como Jesus, Moisés, Salomão, e seres iluminados de outras culturas, mas sua raiz permanece totalmente enterrada no Islã e na concepção islâmica do mundo.
O sistema de aprendizado do sufi é semelhante ao das chamadas ordens ocultas - envolvendo um mestre, discípulos, revelação de práticas à medida que se progride no treinamento, graças especiais (baraka), etc. O mestre precisa ter o que chamamos de “Carisma”, ou seja, uma força que pode unir-se com o coração de quem o encontra.
Um dos grandes conhecedores do sufismo na atualidade, conhecido pelas iniciais A. M., diz: “O método central do sufismo é o desenvolvimento de nossa percepção para aceitar o Amor. O Amor é a única coisa que ativa a inteligência e a criatividade, algo que nos purifica e nos liberta. Ser um sufi, é ser capaz de amar, e estar atento às necessidades daquele a quem amamos (o Deus Todo Poderoso), e usar
cada gesto para aproximar-se Dele, durante as 24 horas do dia.”
A maior parte dos ensinamentos sufi vem através de histórias populares, cheias de ironia. Para não fugir à tradição, termino com uma delas:
Nasrudin, o mestre louco do sufismo, tinha um búfalo. Os chifres afastados faziam-no pensar que, se conseguisse sentar entre eles, seria o mesmo que estar em um trono. Certo dia, quando o animal estava distraído, ele foi até lá e fez o que imaginava. Na mesma hora, o búfalo levantou-se e atirou-o longe.
Sua mulher, ao ver aquilo, começou a chorar.
“Não chore”, disse Nasrudin, assim que conseguiu recuperar-se.
“ Tive meu sofrimento, mas ao menos realizei também o meu desejo.”