O tempo não apaga as palavras

Por que será que a palavra que fere
nunca é esquecida
e que a acarinha, docemente,
pode passar despercebida?
Por que será que nessa vida
quanto mais tentamos nos dar
menos conseguimos agradar?
Por que as pessoas têm tão pouca paciência
e com isso tratam com displicência
quem nunca deveriam tratar?
Por que será que elas não dão valor
a quem conseguem conquistar
e geram tanta dor
em quem dizem amar?
Por que essas mesmas pessoas,
num ato falho, não conseguem perceber
que a palavra que fere
pode, aos poucos, fazer desaparecer
sentimentos profundos
que foram oriundos
de palavras doces e atitudes carinhosas?
A palavra é uma forma preciosa
do ser humano se expressar,
um meio de comunicação
que não deveria machucar.
A palavra é uma maneira de alcançar um coração
tanto na hora de amar
quanto na hora de causar decepção.
Por isso seja atento a tudo que vai dizer,
pois o tempo não apaga as palavras
como pode parecer,
aliás, o tempo insiste em faze-las sobreviver
e o que é dito, quase sempre,
torna-se impossível de esquecer.

Silvana Duboc