Os rumos da nossa estrada

Ainda procuro por entre os lençóis
um pouco da tua voz
procuro por teus gemidos
por teus sussurros incontidos

Fomos amantes
em vários instantes
que hoje tão distantes
apenas largaram recordações
em nossos corações

Fomos a melhor parte de nossas vidas
quando a luz se apagava
e imaginávamos
que me penetravas

Fomos a vingança contra a vida
quando por ela esquecida
conseguíamos nos entregar, apesar...

Apesar das nossas tristezas
das nossas dúvidas e incertezas
apesar da pouca beleza
que trazíamos no semblante

Fomos como retirantes
fugindo da seca
em busca de água
que lavasse nossa alma
e depositasse nela a calma

Fomos a despedida
no momento em que a vida
assim ordenou
e hoje somos o rastro de um amor
que nunca se consumou

Fomos dignos ao esquecer
tudo aquilo que
não teve como florescer
Tantas ilusões...

Vivemos hoje de senões
se não tivesse sido assim
se não fossem os meus medos
se não existissem os teus segredos

Nunca saberemos como teria sido
se chegasse a ser verdade
se tornássemos tudo
além de poesia, realidade

... e ainda acordo à noite
em meio à madrugada
e me pergunto
que rumos tomou nossa estrada
por que tantas curvas
que não levaram a nada?
...ou sempre levaram e eu não enxergava?

Consola-me saber
que habito o teu coração
assim como habitas o meu
num espaço reservado
só para aqueles que
precisamos do nosso lado
com quem sempre teremos cuidado
carinho, admiração
e que amaremos à exaustão

Então, assim ficamos...
em nós, uma lembrança,
uma imagem na retina registrada
de noites que nunca serão apagadas.

Silvana Duboc