Os sinais

Nenhuma flor tem o seu perfume,
nenhum jardim tem o seu encanto,
nenhum rosto tem o seu sorriso
nenhuma lágrima reluz como o seu pranto.

Nenhuma pele tem a sua suavidade,
nenhuma idéia é tão livre
quanto a sua liberdade.

Nenhuma poesia descreve a minha saudade.
Nenhuma maravilha do mundo
consegue emanar a sua luminosidade.

Nenhuma carta de amor contém palavras
tão belas quanto as que por você foram citadas,
nenhum caminho é como a sua estrada.

Nenhum sonho nesse mundo
é sonhado como você sonha
durante o seu sono mais profundo.

Nenhum licor tem o gosto do seu amor,
nenhum beijo tem aquele seu sabor.
Nenhum olhar clareia e incendeia
como o seu olhar esverdeado.

Nenhum corpo que por mim já foi provado
me penetrou tão delicado,
tão meigo e tão apaixonado.

Nenhum momento que eu viva ao seu lado
poderá ser esquecido ou anulado,
nenhum dos nossos sonhos
será demolido ou sepultado.

Nenhum amor de verdade
é esquecido no passado,
ele sempre terá a capacidade
de viver sem nunca ser alterado.

Nenhum vento ou vendaval,
nem o bem ou o mal
poderão nos afastar.

Se nos perdermos
sempre iremos nos procurar
mesmo que nenhuma palavra
ousemos pronunciar.

Depois de termos nos encontrado
tudo ficou tão revirado
que eu passei a crer em coisas
que jamais havia acreditado.

Nenhum dia de nossas vidas
voltará a ser igual,
nenhuma lua, nenhum sol
voltará a brilhar de forma normal.

Esses são os sinais que nos foram enviados
e eles têm que ser preservados,
pois em nós já estão impregnados.

Nenhum dia sem você é fácil de viver,
nenhuma distância que possa,
entre nós, haver o fará me esquecer.


Silvana Duboc