Páginas da vida

Contei os minutos de um dia longo,
tão alegre e atordoado,
tão vazio e ocupado,
tão lento e arrastado.
Contei minutos que só existiram pra mim
pois parece que para outras pessoas
não foi exatamente assim.
Finalmente vi a madrugada avançar,
a noite se estender
e eu queria vê-la se encurtar.
A dor que está doendo aqui
não foi correspondida,
sozinha vou ter que curar minha ferida,
paciência, são assim as páginas da vida.
Existem vários momentos
que precisamos caminhar contra o vento,
enfrentar as tempestades
e suprir nossas próprias necessidades.
Quem sabe a cama, o travesseiro sejam os últimos,
assim como foram os primeiros,
no dia de hoje, os melhores companheiros.
Lamento, apenas, o tempo que foi perdido
por meu coração tão iludido
que poderia ser afagado
sem orgulho e tempo limitado.
E uma voz, na calada da noite,
vem nos meus ouvidos dizer:
vira essa página da vida pra não sofrer.

Silvana Duboc