Palhaça

Andei pensando que a vida é um circo.
Me transformei em palhaça
e em tudo achei graça.
Coloquei meu nariz vermelho,
subi no picadeiro
e imaginei que essa vida eu podia aguentar.
Mas que nada, o circo tem dono
e de lá resolveu me expulsar.
Agora não consigo mais gargalhar,
só faço chorar.
Percebi que o circo pode sobreviver
sem a sua atração principal
ou ela pode ser trocada
durante o espetáculo ou no minuto final.
Basta saber pintar a cara,
dar boas e sonoras risadas
e o dono já fica satisfeito.
Qualquer palhaça surte o mesmo efeito.

Silvana Duboc