Para onde caminha o amor?

Tudo nos leva a crer que a capacidade das pessoas viverem sozinhas
esteja aumentando, ou seja, é cada vez maior o número de homens e mulheres que se sentem razoavelmente em paz consigo mesmos, que são capazes de
se entreter com seus afazeres e interesses, que sabem ir a um cinema ou bar
sem se sentirem humilhados pela falta de companhia.
Aliás, o aspecto social, também muito importante, começa a ser alterado.
Até pouco tempo atrás, a pessoa solteira era discriminada e rejeitada.
Quem não estivesse casado era visto como portador de status social inferior. Havia, portanto, uma forte pressão na direção do casamento.
Sempre que constato esse tipo de pressão sou tentado a desconfiar das
“delícias” do objetivo que se pretende impor.
Se fosse tudo tão bom não seria necessário pressionar tanto!
A capacidade para uma razoável autossuficiência é uma das mais importantes aquisições do homem contemporâneo. Ela é fruto do empenho que tanto
temos feito na direção do autoconhecimento e da introspecção.
O progresso tecnológico também tem contribuído para que as nossas horas solitárias sejam passadas de modo agradável e rico. Com tudo isso, é natural que muitos de nós prefiram ficar sós a estar mal acompanhados. Maus casamentos, suportados apenas em razão das inseguranças e medos de se enfrentar um
futuro incerto e eventualmente solitário, estão com os dias contados.
As relações ricas, plenamente gratificantes, baseadas no respeito mútuo,
na compreensão e no desejo profundo de contribuir para que a pessoa amada seja o mais feliz possível continuarão a existir e a florescer como vida em comum. Isso, desde que não existam impedimentos externos comprometedores (filhos de relacionamentos anteriores com atitude destrutiva, graves dificuldades financeiras e divergências práticas ou filosóficas), que podem minar as bases da aliança afetiva. Mas quantos são esses casamentos? Uns 10%? Talvez nem isso.
O que está ocorrendo, a meu ver, é uma importante modificação nas pessoas capaz de levá-las a olhar melhor o fenômeno do amor e a instituição casamento. Como não estão mais desesperadas para se unir a alguém a qualquer custo, podem, em primeiro lugar, compreender que o amor é uma coisa
e o casamento é outra, totalmente diferente.
O amor é uma sensação de paz e aconchego que sentimos quando estamos junto de uma pessoa, que, por inúmeras razões, se tornou especial e única para nós.
O casamento é uma sociedade civil complicada, ultimamente mal sucedida e geradora de conflitos. Ele terá de ser olhado à luz da razão e não do ponto de vista do amor. É lógico que ninguém vai querer morar junto com alguém que não provoque prazer romântico. Mas não é só isso o que determinará o estabelecimento da sociedade conjugal.
Dificuldades práticas de convívio levam as pessoas, segundo creio, a estabelecer um convívio em termos de namoro: cada um vive em sua casa, com suas finanças próprias, seu estilo de vida e seus problemas individuais.
Se as dificuldades objetivas não existirem e se houver metas em comum
que justifiquem o estabelecimento do vínculo societário, aí então as pessoas
irão estabelecer matrimônio. É o caso, por exemplo, dos casais que
efetivamente desejam ter filhos e patrimônio em comum.
A frequência de casamentos será muito menor,
mas a qualidade deles tenderá a ser melhor.
E quem não quiser esse tipo de vida ficará sozinho
e buscará a felicidade por outros caminhos.