Pena de você

No começo eu tive pena de mim
agora eu sinto pena de você
e acho que é assim
que daqui pra frente vai ser.
Tenho pena de você ser tantos
e não ser nenhum,
de ter tantas vidas e histórias
e ter que carregá-las na memória
em forma de infelicidade
porque nenhuma delas é verdade.
Tenho pena dessa sua solidão angustiante
que você guarda em cada instante
que precisa se reinventar
para com alguém se relacionar.
Tenho pena dos seus devaneios
que buscam meios
para que consigam sobreviver
e tenho mais pena ainda
pois aposto que isso o faz sofrer.
Tenho pena dessa sua insanidade
que o leva a uma viagem
sem rumo, sem chegada,
vazia de tudo, coberta de nada.
Tenho pena de você, principalmente,
porque a vida lhe negou definitivamente
aprender a arte de amar
e o ser humano que não ama
de pé não consegue se sustentar.
Tenho pena de você por sua mediocridade
de espírito e de coração
numa determinada idade
que já não há mais solução.
Tenho pena de hoje ter me restado
apenas ter pena de você
e de nunca ter lhe confessado
que o tempo todo
isso eu quis lhe dizer,
mas achei por bem me conter.
Tenho pena da saudade
que sei que você sente
pois em você ela acontece diferente.
Ela tem sabor de frustração,
de desejo de voltar no tempo
enquanto esse tempo grita: - NÃO!!
Tenho pena de você
pois sei que novos personagens já inventou
para se esquecer dos demais que já enterrou.
Tenho pena de você viver aprisionado
dentro de alguém atordoado.
Mas eu tenho pena mesmo
é de quem vive ao seu lado
sem saber que na sua vida
não passa de um ser desconsiderado.
Antes a virtualidade mentirosa
do que a realidade enganosa.