Pergunta ao tempo

Que parem os relógios
para que eu possa pensar
que a lua fique onde está
que o sol não ouse se aproximar.

Preciso ouvir o silêncio do mundo
seu eco profundo
e neles tentar encontrar
respostas que estou a procurar.

Preciso além da certeza
entender melhor a beleza
dos sonhos que construí
sem sequer tê-los aqui.

Não são palpáveis
são desiguais
mas são meus sonhos
e são reais.

Silvana Duboc