Quando

Quando, nas horas de íntimo desgosto, o desalento te invadir a alma
e as lágrimas te aflorarem aos olhos, Busca-Me: eu sou Aquele que
sabe sufocar-te o pranto e estancar-te as lágrimas;

Quando te julgares incompreendido pelos que te circundam e
vires que em torno a indiferença recrudesce, acerca-te de Mim:
eu sou a LUZ, sob cujos raios se aclaram a pureza de tuas
intenções e a nobreza de teus sentimentos;

Quando, inclementes, te açoitarem os vendavais da sorte e já não
souberes onde reclinar a cabeça, corre para junto de Mim:
eu sou o REFÚGIO, em cujo seio encontrarás guarida para
o teu corpo e tranquilidade para o teu espírito;

Quando te faltar a calma, nos momentos de maior aflição, e te julgares incapaz de conservar a serenidade de espírito, invoca-Me:
eu sou a PACIÊNCIA que te faz vencer os transes mais
dolorosos e triunfar nas situações mais difíceis;

Quando, um a um, te fenecerem os ideais mais belos e te sentires
no auge do desespero, apela para Mim: eu sou a ESPERANÇA,
que te robustece a fé e acalenta os sonhos.

Quando, enfim, quiseres saber quem Sou, pergunta ao riacho
que murmura e ao pássaro que canta, à flor que desabrocha e à estrela
que cintila, ao moço que espera e ao velho que recorda.

Eu sou a dinâmica da Vida e a harmonia da Natureza;
chamo-me JESUS, o remédio para todos
os males que te atormentam o espírito.

Estende-Me, pois, a tua mão, alma filha de minha alma que eu te conduzirei, numa sequência de êxtases e deslumbramentos, às serenas mansões do infinito, sob a luz brilhante da ETERNIDADE.

Rubens Romanelli